Crônica - O Pão do Céu

JESUS CRISTO

CRÔNICA – O PÃO DO CÉU

            Eis aqui à nossa frente Irmãos, pães feitos com ingredientes terrenos, produzidos a partir da mistura da farinha (flor de farinha), do sal marinho, do açúcar mascavo, do azeite extra virgem de oliveira e do fermento, amassados pelas mãos de um homem, e assados no forno à lenha. Mas, esses pães estão aqui com a finalidade de simbolizar algo mais importante do que eles mesmos, pois há em nosso meio, aqui, agora, outro pão, esse sim, invisível, espiritual, que não é feito por mãos de homens, nem são utilizados ingredientes terrenos, mas tão somente ingredientes espirituais, quem sabe: três medidas de amor, uma colher de sabedoria, uma medida de fidelidade, uma pitada de prudência, uma colher de santidade, uma medida de disciplina e sim uma colher bem cheia de azeite puro do Espírito Santo, com a massa levedada pelo fermento do Reino dos Céus, amassados pelas MÃOS mais poderosas do universo, e assados, por fim na fornalha da sua LUZ; preparados na medida certa, para cada um de nós, por AQUELE que tudo criou. Esse é o pão do qual ELE nos tem alimentado diariamente. Esse Pão da Vida, que desce do Céu, e dá sentido à nossa existência, pregando e ensinando o Santo Evangelho a todos quantos lhes são levados a Palavra de Deus, vem nos exortar a uma tarefa singular: alimentar a multidão, multidão essa, faminta por algo que ainda nem eles mesmos conhecem, mas, que o seu coração, vazio e envolto ao sofrimento humano, necessita para se desprender das amarras do pecado. Essa tarefa tão importante, designada aos discípulos do MESTRE, carece de sabedoria para ser cumprida. Sim, porque a nossa parte consiste em distribuir os pães, e tão somente isso. Não podemos retê-los para nós, porque seria insensato da nossa parte. O que faríamos com tantos visto que a nossa parte, a qual sacia a nossa fome, também já nos foi dada? Se os retivermos, estaríamos negando aos outros o alimento que lhes foi preparado. Também não podemos vendê-los, porque está escrito “... de graça recebestes, de graça dai (Mateus 10: 8)”. Também não podemos modificá-los nos seus ingredientes originais, pois, se assim o fizermos, estaríamos alterando o que saiu da boca do PAI, e seria o nosso evangelho, e não o DELE. Igualmente, não podemos facilitar para quem o recebe, na sua deglutição; quem sabe passar uma maionese nesse pão, ou uma manteiga bem suculenta, ou ainda um melado de cana para adoçá-lo, para que seja melhor ao paladar e mais fácil de comer. Não, não podemos fazer isso. Não podemos alterar o sabor daquilo que veio do Céu. Pois se assim o fizermos, aqueles que o comessem não saberiam mais distinguir o sabor da pureza. Não haveria mais diferença para a multidão entre aquilo que é santificado daquilo que é profano e imundo. Também, não podemos mastigar o pão por ninguém, e depois dar aquilo que foi mastigado para outro comer. Não somos cães para se comportar como eles. Cada um mastigue a sua própria comida. E por fim, aqueles que são discípulos precisam ter prudência quando ouvirem as reclamações daqueles que vão receber os pães e comê-los. Sim, meus Irmãos, o Pão que vem do Céu não vem para agradar o homem, mas para transformá-lo. E muitos vão reclamar da consistência do pão. Uns vão dizer: que pão tão duro de comer, tão difícil de digerir, machuca, até na hora de engolir. Para esses tenho uma resposta: Ora, será que o coração não anda igualmente duro? Será que as palavras que saem da boca também não estão machucando quem as ouve? Outros dirão: mas que pão apimentado! Arde tudo por dentro! A esses eu respondo: melhor arder aqui e agora e entrar na Vida Eterna, do que ser lançado no fogo que arde pela eternidade! E haverá quem diga: mas que pão tão sem gosto! Não tem gosto de nada! A esses eu até repreendo: Perdestes a vossa sensibilidade para com as coisas de Deus! Estais a um passo da condenação! Ide e arrependei-vos, e clamai a Deus, para que o Senhor volte a derramar O ESPÍRITO SANTO dentro de vós!

            Então, amados, chegou o momento, da distribuição dos pães. Para nós que somos discípulos, seria mais fácil despedir a multidão para que cada um comprasse o pão que quisesse para saciar a sua fome pelas aldeias do caminho, mas, Jesus, não quis assim, Ele multiplica os pães, hoje, e nos diz assim: “Não é mister que vão; dai-lhes vós de comer”. Cada um tome certa quantidade desses pães e distribua, e, também tome um pão para si mesmo.

 

Por Paulo Ricardo Souza Júnior,

Aula ministrada na Escola Bíblica Dominical na Igreja Assembleia de Deus

Sítio do Capivari – Ingleses do Rio Vermelho – Florianópolis – SC

16/09/2018

 

Blog

Poesia: EU SOU

Eu Sou Eu Sou o que Sou Sou chamado de Eu Sou Eu sou aquele que está oculto nas profundezas da tua alma Eu sou aquele que nunca nasceu Eu sou aquele que sempre existiu Eu sou invencível Eu sou a voz inaudível Eu sou aquele que é invisível Eu sou o verdadeiro Guerreiro Eu sou o Filho do...
Leia mais

Crônica: Os Exércitos do Senhor

Os Exércitos do Senhor             “E no ano de 2014, nos dias do reinado de Dilma Rousseff, na República Federativa do Brasil, aconteceu um evento extraordinário. Levantou-se na cidade de Florianópolis, na localidade do Sítio do Capivari, um povo forte e destemido,...
Leia mais

Conto: A Mensagem que veio do Céu

A Mensagem que veio do Céu             E havia no oceano uma exuberante ilha, com as mais belas paisagens jamais vistas por toda a Terra. No centro dela jazia um velho vulcão extinto há milhares de anos. Próximo ao mar uma pequena vila de pescadores prosperava...
Leia mais

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!