Conto: A Mensagem que veio do Céu

A Mensagem que veio do Céu

            E havia no oceano uma exuberante ilha, com as mais belas paisagens jamais vistas por toda a Terra. No centro dela jazia um velho vulcão extinto há milhares de anos. Próximo ao mar uma pequena vila de pescadores prosperava abundantemente, devido à enorme quantidade de peixes existentes no litoral. Certo dia, porém, ao entardecer um estrondo vindo do céu assustou a todos. Seguiu-se a isso um clarão de proporções gigantescas. Os moradores viram então um Anjo que descia dessa magnífica luz em direção a eles. O Ministro de Deus desceu sobre a praça do vilarejo para pronunciar um dito do Todo-Poderoso aos habitantes daquele lugar, que temerosos pelo acontecimento se ajuntaram ali para ouvi-lo. E disse o Anjo:

            - Eis que o Senhor virá com grande juízo sobre essa nação e despertará o monte adormecido de modo que jorrará fogo consumidor destruindo tudo e matando a todos. Aquele, porém, que quiser se salvar, ajunte-se aos seus companheiros que crerem nessa profecia e construam um só barco, tão grande quanto possa levar a todos quantos habitem nessa ilha. E seja essa a instrução: persevere na obra, porque não sabeis nem o dia nem a hora do juízo de Deus. E aos primeiros sinais de fumaça vindo da montanha, entrei, pois, vós no navio, e ide embora para outra terra. – disse isso e alçou voo retornando aos céus.

            Assombrados com aquelas palavras, homens e mulheres perguntavam-se o porquê de tal sentença. Após muito discutirem, chegaram à conclusão que não havia o que pudessem fazer, a não ser obedecer às instruções que receberam. Quem sabe se Deus se agradasse deles, alcançariam a misericórdia. E assim conversavam entre si:

            - Como vamos construir um barco tão grande para caber todos, visto que somente sabemos fazer barcos pequenos? – perguntou um.

            - E quando vir essa assolação sobre nós, e a nossa população tiver aumentado tanto, que não caibam todos no barco, assim teremos que construir outro maior? – indagou outro.

            - E não é só isso. Como vamos escolher quem vai entrar no barco. Aceitaremos todos? Inclusive os malfeitores que estiverem entre nós? – questionou outro.

            E muitas dúvidas e discussões se fizeram naquele momento. Logo, um dos mais velhos que ali estavam presentes pediu a palavra e falou:

            - Sou um dos mais antigos que vive entre vós, e já vi muita coisa acontecer nessa vida, mas nada comparável ao que vi e ouvi no dia de hoje. Ora, se Deus nos avisou é porque vai acontecer, porque Deus não mente. Se Deus disse para construirmos um barco, é porque teremos tempo para executar a tarefa e habilidade para isso, e ainda mais: é somente isso que vai nos salvar e não outra coisa. E digo ainda, se Ele disse para levarmos todos os habitantes da ilha, então faremos lugar para todos, e todos que acreditarem nessa obra e trabalharem nela certamente serão transformados por Deus, porque o Onipotente não ajuntará homens maus e bons no mesmo lugar para se matarem uns aos outros, então não temos que rejeitar ninguém, porque precisamos de todos os braços fortes e todas as inteligências capazes para essa edificação, pois um navio dessa natureza é complicadíssimo de fazer. Ora, se não sabemos quantos vamos ser no dia do embarque, façamos assim: construamos um corpo principal, e partes flutuantes que possam ser agregadas ao navio, então à medida que o povo aumente em número, faremos esses compartimentos flutuantes tantos quantos sejam necessários, o que será mais fácil e rápido de fazer.

            E essa palavra pareceu boa aos ouvidos de todos, de modo que imediatamente se puseram a trabalhar. A tarefa era mui demorada e extremamente difícil, de maneira que alguns acabaram desistindo de ajudar. O tempo passou e nasceu outra geração de pessoas que não havia presenciado a aparição do Anjo, e estes foram instruídos a cerca daquela profecia, a fim de que ajudassem na construção do navio. E assim sucessivamente outras gerações vieram, de modo que os primeiros habitantes que testemunharam as palavras daquele Anjo acabaram por morrer sem ver o juízo de Deus chegar àquela ilha, mas na esperança de entrar no barco até o último dia de suas vidas. E aquilo que era uma pequena vila de pescadores se transformou numa grande cidade. Muitos séculos se passaram e a profecia que era tradição oral, passou a ser escrita, pois assim todos se lembrariam do texto original de maneira que nenhuma palavra seria alterada. A população em muito aumentou, sendo numerosas as vilas e cidades naquela ilha. A profecia se tornou lenda, de modo que muitos abandonaram a crença, mas outros insistiam na sua veracidade. E há certo tempo aconteceu que na fadiga do dia um dos trabalhadores da obra questionou o seu chefe:

            - Por que nós que acreditamos na profecia e trabalhamos nessa obra temos que nos preocupar com aqueles que não acreditam e nada fazem?

            E respondeu-lhe:

            - Porque essa profecia não é nossa. Ela pertence àquele que desceu dos céus para nos avisar. Pois se Ele não tivesse nos avisado, nem nós poderíamos nos salvar. E nós trabalhamos para todos, quer acreditem ou não, porque outros, antes de nós também trabalharam para o nosso benefício, sem saber se nós acreditaríamos ou não, de modo que qualquer um pode mudar de ideia a qualquer tempo, assim terá lugar também para todos, caso mudem de opinião a tempo.

            E durante os anos que se passavam, acontecia que muitos se dedicavam, e outros não. Muitos trabalhavam arduamente, e outros nada faziam.  Alguns trabalhavam durante anos, mas depois de tanto tempo acabavam desistindo, pois perdiam a fé na mensagem divina, visto que ela não se cumpria. Mas, todos os que trabalharam na obra, enquanto estavam trabalhando, eram transformados em pessoas melhores, abandonando o vício, as prostituições e as ladroíces. Porém, os que abandonavam a edificação perdiam a força que os mantinham na vida de retidão, e acabavam por retornar às velhas práticas mundanas.

            Então, certa noite, quanto se completaram exatos 3.333 anos após a Mensagem que veio do Céu ter sido proferida por aquele Ministro de Deus, lá pela meia-noite, o velho vulcão acordou de maneira bem sutil, soltando as primeiras fumaças. Havia, no entanto festa nas cidades e nas vilas da ilha, de modo que a maioria dos habitantes estava bebendo e se divertindo. Outros dormiam e em nada mais se importavam a não ser com as suas próprias vidas. Os crentes na profecia, porém, sempre deixavam alguém de vigília observando o vulcão, quer fosse de dia, quer fosse de noite. Assim, aquele que estava vigiando, logo que viu a fumaça correu e avisou aos outros, de maneira que rapidamente a notícia se espalhou entre eles. Tentaram avisar a todos quantos encontraram pelo caminho, mas muitos rejeitaram o aviso, pois não criam na profecia, atribuindo a fumaça aos espetáculos da festa.

            E de todos os que entraram apressadamente no barco àquela noite, havia homens e mulheres que trabalharam muito na obra, outros que pouco trabalharam, e alguns que nada fizeram, mas que na última hora acreditaram na mensagem profética e correram para se salvar. Porém, houve também poucos obreiros que desistiram na última hora, e abandonaram a sua fé em prol das diversões que eram patrocinadas naquele momento ao longo noite, e não embarcaram.

            O navio partiu rumo ao alto mar, e quando estava longe o suficiente, e em plena segurança, o monte fumegante que se localizava no centro da ilha expeliu fogo e saraiva, destruindo tudo o que havia ao seu redor. Vendo a destruição em curso, os habitantes remanescentes correram para o cais a fim de se salvar, mas não encontraram meio de escapar. E os poucos que conseguiram entrar nas pequenas embarcações individuais, e se lançaram rumo ao mar foram engolidos por ondas gigantes. A ilha explodiu e foi tragada pelo oceano levando tudo e a todos que ali estavam.

Ironicamente no gigantesco barco muitos lugares estavam vagos. A ordem que vinha do Céu precisou ser cumprida à risca, de maneira que o navio zarpou sem esperar por ninguém. Quem embarcou, embarcou. Quem não embarcou ficou para trás. Quanto a todos os que se salvaram, aqueles que tinham mais experiência na obra ocuparam posições de comando no barco, e os outros foram seus subordinados. Havia alegria e alívio a bordo. Todos os que embarcaram foram salvos.

(Extraído do Livro "DEUS é POETA - Contos, Crônicas e Poesias de autoria de Paulo Ricardo Souza Júnior)

Blog

Poesia: EU SOU

Eu Sou Eu Sou o que Sou Sou chamado de Eu Sou Eu sou aquele que está oculto nas profundezas da tua alma Eu sou aquele que nunca nasceu Eu sou aquele que sempre existiu Eu sou invencível Eu sou a voz inaudível Eu sou aquele que é invisível Eu sou o verdadeiro Guerreiro Eu sou o Filho do...
Leia mais

Crônica: Os Exércitos do Senhor

Os Exércitos do Senhor             “E no ano de 2014, nos dias do reinado de Dilma Rousseff, na República Federativa do Brasil, aconteceu um evento extraordinário. Levantou-se na cidade de Florianópolis, na localidade do Sítio do Capivari, um povo forte e destemido,...
Leia mais

Conto: A Mensagem que veio do Céu

A Mensagem que veio do Céu             E havia no oceano uma exuberante ilha, com as mais belas paisagens jamais vistas por toda a Terra. No centro dela jazia um velho vulcão extinto há milhares de anos. Próximo ao mar uma pequena vila de pescadores prosperava...
Leia mais

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!